A deficiência de energia relativa no esporte (RED-S) é uma disparidade entre o consumo e o gasto energético, uma inadequação de disponibilidade de energia que atendem as demandas metabólicas do copo na prática esportiva. Pode ocorrer não apenas para atletas de alto rendimento, como também atletas amadores, de ambos os sexos.

Quais são as causas de deficiência de energia relativa no esporte (RED-S)?

 

A busca de um rendimento esportivo cada vez mais alto, aliado um corpo perfeito tem levado muitos atletas e esportistas a uma síndrome recentemente descrita no último consenso mundial do comitê Olímpico em 2016, denominada síndrome RED-S (Relative Energy Deficiency in Sport) ou síndrome de deficiência energética relativa no esporte.

No ano de 2005 o mesmo comitê publicou em consenso denominado tríade da mulher atleta, que classicamente abrangia distúrbios menstruais, osteopenia e distúrbios alimentares.

De lá para cá, devido a altos volumes de treinamento e restrição alimentar, fez com que a síndrome exclusiva a mulheres se estendesse também aos homens, utilizando-se o termo “Deficiência de Energia Relativa no Esporte (RED-S), que relacionado com uma inadequação de disponibilidade de energia, ocorrendo por um desequilíbrio entre o consumo e o gasto energético.

 

Causas para levar a um desequilíbrio entre ingestão energética e gasto energético:

 

  • Grande pressão por resultados
  • Preocupação excessiva com a estética
  • Desordens alimentares
  • Busca por um baixo peso corporal
  • Treinamento excessivo

É possível calcular a disponibilidade energética da seguinte forma:
Disponibilidade energética = consumo calórico na dieta – gasto energético com o exercício / massa magra (FFM – fatfreemass).

 

Essa disponibilidade de energia é o que sobra para o organismo utilizar em funções básicas homeostáticas a fim de preservar a saúde e manter o desempenho esportivo adequado.

Em adultos saudáveis, um valor de 45 kcal/kg FFM /dia equivale ao balanço energético, mas para mulheres pelo menos 30 kcal/Kg de massa magra parece auxiliar a preservar a função menstrual e a saúde global. Para homens, o limiar ainda não está bem estabelecido.

 

Quais são as consequências na saúde da deficiência relativa de energia no esporte (RED-S)?

 

deficiência relativa de energia no esporte RED-S

 

Efeitos potenciais de desempenho da deficiência de energia relativa ao esporte:

 

deficiência relativa de energia no esporte RED-S

 

 

Saiba quais são as principais recomendações nutricionais para casos de síndrome da deficiência de energia relativa ao esporte:

 

  • Aumento da ingestão energética, redução do exercício físico ou associação de ambos.
  • Maior atenção à quantidade calórica ofertada na dieta dos praticantes de atividade física.
  • Para mulheres, o balanço energético, ajustando o gasto com o exercício, deve ser de pelo menos 30kcal/kg de massa magra.
  • Pode ser introduzido um dia de descanso.
  • Quanto maior a variedade de alimentos, maior a chance em atender as recomendações de macronutrientes (carboidratos, proteínas e lipídios) e micronutrientes (vitaminas e minerais).
  • Evitar a exclusão de grupos alimentares.
  • Adequação à ingestão de alimentos fontes de cálcio e ferro, e caso seja necessário, faça suplementação destes micronutrientes. A vitamina D também deve ser monitorada.
  • Atenção ao comportamento alimentar “desordenado”, aos transtornos alimentares e à distorção de imagem corporal.

 

Qual é o papel do nutricionista e profissionais da saúde sobre a síndrome de deficiência no esporte?

 

Os profissionais de nutrição e da área da saúde devem ter atitude de acolhimento, serem facilitadores e parceiros no acompanhamento de nossos atletas. Nesse sentido, trabalhar em equipe interdisciplinar é fundamental.
Falar sobre como o nutricionista esportivo pode dar as condições especiais para cada indivíduo.

Para que o tratamento e prevenção dos casos de deficiência de energia relativa ao esporte seja eficiente, é cada vez mais importante a abordagem individualizada com programas de longo prazo de uma equipe multidisciplinar, envolvendo um profissional nutricionista esportivo devidamente capacitado, médico clínico, um especialista em saúde mental, e, evidentemente o apoio dos familiares.

Muitas vezes, por falta de conhecimento técnico especializado, ocorre o abuso de substâncias acarretando em mais problemas de saúde para a atleta.

Conheça também o Código de Ética do Nutricionista. Saiba como diferenciar-se através da Ética!

Literatura:
1. Mountjoy M, et al. International Olympic Committee (IOC) Consensus StatementonRelative Energy Deficiency in Sport (RED-S): 2018 Update

WhatsApp Nutrir Educacional
Enviar